sábado, 6 de julho de 2013

Desconforto



Quero muito acreditar que é normal viver uma fase da vida em que olhamos à volta e não vê-mos nada nem ninguém. Será tão normal assim, sentir que perdemos todo valor e grande força que tínhamos por pequenos erros? É muito mau sentir que já não temos valor para as pessoas que mais tem valor para nós, sentimos-nos como lixo, como apenas alguém a deixar pegadas por aí. O mal de tudo é saber que a felicidade está muito dependente de outras pessoas e não apenas de nós próprios. Com pouca coragem e vontade de planear, está um insignificante corpo presente, que constantemente grita alto em espaços vazios. Ao mesmo tempo é capaz de sair do seu próprio eco e assim os espaços fecharem-se. O que era um espaço vazio, vira também um espaço fechado, com fechaduras por onde não é possível espreitar nem um pouco do minuto que se segue. Uma alma carente e só, que muito transparente mas que mesmo assim impossibilita a descrição do seu estado a exteriores interessados. Entra facilmente na escuridão e ergue-se para luta pelo perdão do seu peito. Uma alma castigada e revoltada, por agir de forma leve e permitir respostas frias. Não sou um exemplo a seguir, e isso pouco ou nenhuma diferença faz para o desenvolvimento da sociedade mas mesmo assim, é importante conhecer casos infelizes para que amanhã não vá escavar um buraco idêntico. Encontro-me varias vezes no quarto com um calor extremo, e questiono-me às paredes porque que até mesmo esse me congela. Durmo e acordo a pensar que um dia o meu ser pode voltar, e acabo por acreditar na minha própria história. Nunca pensei que situações como tais se aplicassem, mas quando te deparas com os impossíveis, automaticamente irás retirar as tuas próprias ideias. A minha ideia dentro da situação pessoal que me encontro, é que a culpa não está do lado de quem tem a má atitude, está sempre do lado de quem a perdoa. 

6 comentários:

  1. "É preciso passar pela dor para alcançar a felicidade.”
    Tu não perdes-te o teu valor nem a tua força por teres cometido erros, erros todos cometemos e não são esses erros que definem quem tu és nem definem o valor que tu tens. Vais-te sentir assim muitas vezes ao longo da tua vida, mas a única coisa que não podes fazer é baixar os braços, tu podes cair quantas vezes forem, mas no final tu vais erguer-te e dizer: Valeu a pena, eu venci esta batalha.
    As chaves para os espaços que fecharam só tu as podes encontrar, só tu podes reabrir esses espaços que para ti podem significar tanto, só tu tens o poder de os enfrentar, de o fazer, basta tu quereres.
    Perdoar é um dom e nem toda a gente tem a capacidade de o fazer, por isso, se o consegues fazer a culpa não é tu, só demonstra o teu carácter e a pessoa que és. Mantem-te forte!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, concordo plenamente com essa forma de pensar. É importante reconhecer-mos que o sol precisa de um bom inverno para ser tão desejado e valorizado. Perdoar nunca foi mau, mas perdoar quem não merece ser perdoado é um erro mais grave do que o que realmente aparenta ser! Obrigado pelas palavras de apoio!

      Eliminar
  2. O teu valor é o mesmo, com ou sem eros. Apenas as pessoas é que vão "aceitar" ou nao esse valor. A tua força tem de se manter...e tens de deixar um pouco da janela aberta...para algum raio solar acabar com essa escuridão e te permitires a abrir esses lugares fechados. Força..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas tuas palavras. É muito bom esse teu apoio... Força de volta ;)

      Eliminar
  3. O texto está lindo, mas tenho pena que te sintas dessa forma...
    Espero e acredito que as coisas acabem por melhorar e, tenta, que essa tua felicidade se torne mais dependente de ti e não tanto dos outros.. Força *
    Sigo !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que há fases na vida, em que as coisas complicam mesmo, mais do que podia parecer. Desejo melhoras para mim, e desejo mais ainda que ninguém se venha afundar como eu. Obrigado!

      Eliminar